• Investe Mais

Famoso astronauta canadense recebe primeiros bitcoins enviados do espaço

Em uma videoconferência com o astronauta Chris Hadfield, o CSO da Blockstream Samson Mow usou uma implementação da Blockstream Satellite para enviar os primeiros bitcoins do espaço e retransmitidos na Terra.


Chris Hadfield é um astronauta canadense que ficou muito conhecido por postar vídeos no YouTube mostrando como é realizar simples tarefas em gravidade zero, como escovar os dentes ou dormir.


O evento ocorreu durante a conferência Asia Blockchain 2020, demonstrando como na prática o uso de bitcoins através de satélites, onde o receptor não precisa de internet.


Bitcoin sem internet?


A vantagem dessa tecnologia é a diminuição dos custos e barreiras para participar da rede do Bitcoin, além de aumentar a descentralização e resistência dos nodes de bitcoin ao redor do mundo.


Em um exemplo prático, um vilarejo sem conexão com a internet pode aceitar bitcoin e verificar por conta própria que o recebimento foi concluído, sem precisar confiar no cliente.

Os satélites cobrem o mundo todo, separado entre 4 satélites em 6 zonas de cobertura. Três dessas áreas possuem cobertura com o dobro de velocidade, como aponta o mapa do site da Blockstream.


Contudo, não adianta receber e não puder fazer nada com isso, e é aí que outras soluções são necessárias para o perfeito funcionamento do bitcoin neste exemplo. O Starlink do Elon Musk é apenas um dos projetos que tentam levar a internet rápida para todos os lugares do mundo.

De acordo com o próprio Elon Musk, um pequeno vilarejo só precisará de uma única antena de baixo custo para se conectar a um satélite da Starlink e receber internet e todos poderem usar bitcoin.


Uma outra alternativa seria o uso de bitcoin offline, com alternativas como o Opendime, que permite a transferência de bitcoins como se fossem moedas físicas.

No Twitter, um usuário postou a foto do livro de Hadfield “Guia de um astronauta para viver bem na Terra” com o Opendime substituindo o seu skate.

Que inclusive chamou a atenção do brasileiro Rodolfo Novak, desenvolvedor do Opendime:

“Imagine um Opendime indo para o espaço? @elonmusk @SpaceX ele não tem quase nenhum volume! Podemos encaixar um no próximo lançamento de satélite?”