• Investe Mais

Grupo de hackers atacavam gamers para roubar Bitcoin

Um grupo de hackers baseado na China atacavam vários gamers em um elaborado plano. As autoridades que investigavam o grupo aponta que há anos o grupo estaria mirando empresas de games online, principalmente para roubar Bitcoin.


As investigações foram conduzidas principalmente pela ABC7 I-Team, uma equipe de Illinois, nos Estados Unidos. Tudo começou quando empresas do estado passaram a relatar ataques hackers, despertando atenção das autoridades.


Ao que parece, cidadãos chineses aliados com operadores financeiros da Malásia operaram o golpe. O FBI acusa o governo chinês de “fazer vista grossa” para ataques hackers feitos em seus territórios. O mercado de gamers tem sido um dos principais alvos de hackers nos últimos anos.


Grupo de hackers chineses estavam atacando gamers com foco em roubar criptomoedas


As atividades de grupos hackers aumentaram durante a pandemia do novo coronavírus. Com mais pessoas em casa, programas e sites maliciosos têm sido disseminados pela internet. O foco é um só: aplicar golpes financeiros nas pessoas.


Contudo, um mercado que sofre alguns anos como alvo de hackers são os gamers. Com vários jogos utilizando moedas digitais em transações, e até o Bitcoin, esse perfil de usuários de tecnologia chama atenção para golpes.


Além disso, muitos gamers de pc utilizam seus equipamentos para minerar criptomoedas. Ou seja, a chance de um gamer ter criptomoedas em seu equipamento é alta.


De acordo com o CoinNewsAsia, o plano amplo mirava uma série de empresas do setor. Até faculdades do estado norte-americano se tornaram alvos dos hackers.

“O amplo plano de hacking se concentrou em 100 organizações em Illinois e diferentes estados, incluindo empresas de desenvolvimento de programas, fabricantes de PCs e fornecedores de comunicações de transmissão, organizações de mídia online, empresas de jogos, associações de causa nobre e faculdades.”

Com invasões em países de várias partes do mundo, Malásia prendeu donos de empresa de gamers


Os hackers são suspeitos de atacarem pessoas nos Estados Unidos, França, Japão, Cingapura e Coreia do Sul. Com atuações em vários países, as investigações levaram a captura de dois homens.


Presos pelas autoridades da Malásia, Wong Ong Hua, 46, e Ling Yang Ching, 32, eram proprietários da SEA Gamer Mall. A empresa é apontada como parte do esquema nas investigações internacionais do caso. Ao receber os Bitcoins roubados, a empresa revendia para terceiros.


Outros cinco hackers chineses são apontados como bandidos pelas autoridades. Destes, três são acusados de estelionato e todos são apontados como mestres de evasão fiscal.


De qualquer forma, o caso tomou proporções até diplomáticas, com o FBI, dos EUA, acusando a China de facilitar crimes virtuais. As autoridades desconfiam até que a China facilita os crimes e se beneficiam deles, principalmente quando os hackers roubam patentes dos EUA.

“Nenhum governo responsável protege conscientemente criminosos cibernéticos que visam vítimas em todo o mundo em atos de roubo de patente”, disse o procurador-geral adjunto dos EUA, Jeffrey Rosen

Por fim, os dois homens presos na Malásia terão sua extradição solicitada pelos EUA, que querem julgar os homens pelos crimes cometidos. Já os chineses, ainda em liberdade, seguem sendo procurados pelas autoridades.


Fonte: livecoins