• Investe Mais

Rússia incentiva Brasil a abandonar uso do dólar

O dólar está passando por um momento difícil, em decorrência da pandemia provocada pelo coronavírus.


Há muito questionamento em relação à moeda estadunidense, que ocupa o papel de principal ativo de reserva da economia global.


Uma das funções do dólar é a sustentação das atividades econômicas internacionais. Além disso, os países utilizam o dólar para influenciar na política cambial e em outros assuntos internos, ao lado do ouro e de alguns outros ativos.


No entanto, para vários economistas, a política econômica atual do Banco Central dos EUA (Fed) está contribuindo para desvalorizar o dólar.


Nessa linha, a Rússia está sugerindo aos BRICS que o dólar seja “abandonado” em favor das moedas nacionais.


Rússia incentiva BRICS a abandonarem o dólar

Na segunda-feira (24), houve uma reunião por videoconferência entre representantes dos BRICS.


Vale lembrar que BRICS é o nome dado ao grupo de países emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.


O grupo em questão surgiu em 2006. Na época, ele representava os países que mais tinham possibilidades de ascender ao grupo dos países desenvolvidos.


Atualmente, os países do BRICS passam por problemas econômicos. No entanto, ainda são considerados como um grupo relevante,na comunidade internacional.


Assim, Denis Manturov, Ministro do Comércio Exterior da Rússia, incentivou os demais países a abandonarem o dólar.


Na conversa, Manturov afirmou, em tradução livre:

“O uso racional e balanceado dessa ferramenta vai ajudar a aumentar a estabilidade da economia dos nossos países, além de reduzir a dependência das políticas estadunidenses.”

A ferramenta citada por Manturov, no caso, é a realização do comércio internacional através das moedas nacionais de cada país dos BRICS.


Discurso está em sintonia com parceria entre a Rússia e a China

Recentemente, a Rússia e a China anunciaram uma aproximação econômica. Um dos pontos-chave dessa parceria é a diminuição do uso do dólar nas relações comerciais entre esses países.


Dessa forma, o discurso de Denis Manturov ao grupo de países em desenvolvimento está alinhado com o que já ocorre com a China. Nesse caso, os dois países estão interessados em diminuir a influência norte-americana no globo.